Portal dos Bebês

Fonoaudiologia

Odontologia

FOB
Imprimir AumentarDiminuir

altere o tamanho do texto:

A fala do bebê com fissura labiopalatina

Para entender melhor como o bebê com fissura labiopalatina desenvolve a fala é importante entender como a fissura afeta os órgãos envolvidos na produção da fala.

O palato (céu da boca) é formado por duas partes: uma parte dura (palato duro) que fica na frente e uma parte mole (palato mole), que fica atrás. A parte dura tem osso e os dentes de cima, enquanto a parte mole tem músculos que se movimentam quando falamos e engolimos.

Para entender melhor podemos comparar a boca e o nariz com uma casa com 2 andares. O céu da boca separa o térreo, que é a boca, do primeiro andar, que é o nariz, portanto, serve de teto para a boca e de assoalho para o nariz. Dentro do pescoço e atrás do nariz e da boca fica a faringe (garganta). A parte de trás do céu da boca (palato mole) é como se fosse uma porta (que é chamada velofaringe) que abre e fecha. Observe essa comparação na imagem abaixo:

            

Quando respiramos precisamos que a porta fique aberta para que o ar entre pelo nariz e passe pela garganta até chegar aos pulmões.  Quando comemos e engolimos é importante fechar a porta para o alimento não ir para o nariz.

Nos casos dos bebês que nascem com fissura labiopalatina, a casa (boca e nariz) está incompleta, tem uma abertura (fissura) que permite uma comunicação indesejada entre a boca e o nariz. Ou seja, como na figura da casa abaixo, o bebê com FLP tem a estrutura para uma casa com 2 andares porém não tem o teto da boca nem o assoalho do nariz.   
            
O cirurgião reconstrói a estrutura fechando o lábio e o céu da boca. Os cuidados para reconstruir o palato são muito importantes para o desenvolvimento da fala. Quando falamos precisamos que a porta (velofaringe), abra e feche adequadamente para fazer os diferentes sons da fala. O cirurgião, portanto, deve reconstruir tanto a parte dura (com a gengiva onde vão nascer os dentes) quanto a parte mole que deve funcionar  abrindo ou fechando sempre que necessário.




Quando falamos fazemos dois tipos de sons: uns que precisam da porta fechada e outros que precisam da porta aberta. Com a porta aberta produzimos os sons nasais (m, n, nh, vogais nasais) enquanto com a porta fechada produzimos todos os outros sons da fala.

As cirurgias primárias, portanto, são muito importantes para o bebê. A palatoplastia (que corrige o céu da boca) é a cirurgia que reconstrói a porta e prepara o bebê para desenvolver uma fala adequada. 

O bebê, no entanto começa a se comunicar antes das cirurgias e deve ser estimulado cuidadosamente para não desenvolver hábitos de fala não desejados.  Sempre que tiver dúvidas procure um fonoaudiólogo para orientar e acompanhar o desenvolvimento da fala. 

 
F.A.Q.
Desenvolvido por Lecom S.A.